28 de fevereiro de 2008

Os verdadeiros tesouros pertencem a todos

Um homem muito rico e avarento amava suas jóias e as colecionava, acrescentando constantemente novas peças ao maravilhoso tesouro escondido, que guardava a sete chaves, oculto de olhos que não fossem os seus.Um dia, em visita um amigo demonstrou interesse em ver as jóia.

- Seria um prazer tirá-las do esconderijo, e assim eu poderia olhá-las também.

A coleção foi trazida, e os dois deleitaram os olhos com o tesouro maravilhoso por longo tempo, perdidos em admiração.

Quando chegou o momento de partir, o convidado disse:

- Obrigado por me dar o tesouro.

- Não me agradeça por uma coisa que você não recebeu. Como não lhe dei as jóias elas não são suas, absolutamente.

- Como você sabe - respondeu o amigo, - senti tanto prazer admirando os tesouros quanto você, por isso não há essa diferença entre nós como pensa.

Só que os gastos e o problema de encontrar, comprar e cuidar as jóias são seus…

GRILLO, Nícia Q. (1993) – Histórias da Tradição Sufis. Edições Dervish. Rio de Janeiro.
Recomendações
Resgatado por Sérgio Lins - Março de 2006

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO!

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Se você se sentiu ofendido com algum comentário aqui publicado, entre em contato imediatamente mandando um email para dorjival@gmail.com