29 de maio de 2008

Meu queimar

Por Rejane Tach


Meu queimar sem tuas mãos
Reflete em minha face o rubro
Sob o céu de maio menos quente
Que o meu corpo aqui...

Nem teu olhar me leva mais
O momento suave é tomado pela ira
Tento sem escrúpulos
Arrancar de mim alguma sobra
Pra lançar ao vento...

Que sobras posso ter?
Nunca me encontrei por inteiro
Sem as tuas mãos
E atônita, carrego-me
Queimando sem definições explicáveis
O que sinto
Sob o céu de maio...

E são essas palavras tolas que escrevo
O meu alento!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO!

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Se você se sentiu ofendido com algum comentário aqui publicado, entre em contato imediatamente mandando um email para dorjival@gmail.com