11 de março de 2009

Professor Delúbio Soares em Cuiabá

Testemunhas da ação penal que pesa contra o deputado Alexandre Cesar (PT) por prestação de contas falsas, ou seja, o famoso caixa 2 na campanha a prefeito de Cuiabá em 2004, reforçaram hoje, em audiência, a defesa do parlamentar de que o escândalo se deu por uma confusão contábil e não por má fé.

Foram ouvidos empresários da banda Stillo Pop Som, a contadora Kátia Xavier e os empresários Dalmi Defanti, Leonir Rodrigues da Silva Júnior e Rodrigo Piovezan. A maioria disse que trabalhou para a campanha de Alexandre, mas teria trabalhado também para o partido.

Na prática, o petista tenta convencer o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de que as dívidas foram assumidas pelo partido e, por isso, não foram apresentadas à Justiça como um rombo de campanha. Alexandre diz que isso se deu por orientação do ex-tesoureiro da sigla, Delúbio Soares.

Os próximos a serem ouvidos pela Justiça são Delúbio e o ex-presidente nacional do PT, José Genoíno. Adriana Vandoni

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO!

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Se você se sentiu ofendido com algum comentário aqui publicado, entre em contato imediatamente mandando um email para dorjival@gmail.com