24 de maio de 2010

Eles pecam, o eleitor paga


Pior. Não valerá também para quem for condenado depois da data de registro, já que nos julgamentos, a Justiça Eleitoral costuma analisar a situação do candidato apenas na data da inscrição. Cassá-la posteriormente é dificílimo. Estranho costume esse. Nem considera a hipótese de proteger o eleitor e acaba por estimular a impunidade.

Ainda no âmbito judicial, as punições irrisórias aplicadas aos que descumprem a lei são mais uma afronta ao eleitor. Por campanha antecipada, o presidente Lula já recebeu quatro multas e sua candidata Dilma Rousseff outras duas. Como nada mais acontece, o baixo valor – as seis juntas somam R$ 40 mil – incentiva a dupla a continuar no mesmo tom, desafiando a Justiça e, de quebra, desrespeitando o eleitor.

O descaso não é novidade. O eleitor só adquire alguma importância nos anos pares, quando, em seu nome, faz-se todo o tipo de bondades, sejam elas exeqüíveis ou não. Basta ver a recente votação do fim do fator previdenciário. O Congresso aprova a irresponsabilidade, fica bem na foto, e deposita a questão no colo do presidente Lula e nas frágeis contas do país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO!

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Se você se sentiu ofendido com algum comentário aqui publicado, entre em contato imediatamente mandando um email para dorjival@gmail.com