29 de outubro de 2014

Ódio contra eleitores nordestinos deve passar logo

DO R7

Dois dias após o Brasil decidir nas urnas seu novo presidente, eleitores ressentidos com o resultado da eleição usam as redes sociais para disseminar manifestações de ódio contra os nordestinos — onde Dilma Rousseff (PT) venceu Aécio Neves (PSDB) em todos os Estados. Supostamente, a região teria dado a vitória à petista — mas o desempenho de Dilma no Sul e Sudeste foi fundamental para o triunfo.

Nesta terça-feira (28), as mensagens foram desde o singelo ‘destruíram nosso País’ até desejos mais agressivos, como ‘que o ebola chegue ao Brasil pelo Nordeste’. Em um vídeo, uma mulher, supostamente rica, chama os eleitores de Dilma de "miseráveis, imbecis e burros" (assista abaixo).


Os protestos surgiram logo após o resultado no domingo, quando surgiram mais de 300 páginas para promover discriminação contra os nordestinos. O vereador de São Paulo Coronel Paulo Telhada (PSDB) sugeriu, no Facebook, a independência do Sul e do Sudeste e recomendou que Norte e Nordeste “paguem o preço sozinhos” pela eleição de Dilma. Telhada foi eleito deputado estadual em SP com 254 mil votos.

Em resposta à onda de discriminação contra o Nordeste o jogador da seleção brasileira Hulk pediu, via Instagram, respeito ao Nordeste.

Apesar dos ânimos exaltados, cientistas políticos ouvidos pela reportagem do R7 apostam que o ódio disseminado nas redes sociais deve passar logo. O professor da Fesp (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo) Aldo Fornazieri explica que “terminada a eleição não se pode partir para um terceiro turno, de vingança”.

— Não há entre a população, com exceção de setores minoritários e radicais que espalham ódio e preconceito contra pobres, nordestinos, negros e mulheres, não há um clima de animosidade política. A tensão que acompanhou o processo eleitoral está se desfazendo.
[Nordestino, jogador Hulk pediu respeito às declarações contra o NE]

O professor lembra que “há uma acomodação natural e uma aceitação natural dos resultados”, mas alerta que “é preciso ter cuidado com esses setores minoritários de caráter neofascista que pregam a violência”.

O professor de ciência política da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) Carlos Ranulfo classifica as manifestações contrárias aos nordestinos nas redes sociais como uma “histeria”. O especialista lembra que “tem pessoa dizendo que vai sair do País, que vai mudar para Miami”.

— Acho que isso é uma histeria que foi insuflada pela campanha do PSDB, porque botou na cabeça de uma classe média muito mal-informada, que se acha informada, que o PT vai instalar uma ditadura, que vai fazer isso e aquilo. Ou seja, tem um monte de coisa sem nenhum sentido e as pessoas saem repetindo bobagem e um monte de asneira sobre o Nordeste.

Ranulfo ressalta que “Aécio perdeu em Minas, que não é no Nordeste, perdeu no Rio de Janeiro”. Por isso, as acusações contra os nordestinos, segundo ele, “não têm nenhum impacto e vão esfriar”.

— O que interessa é como as forças políticas brasileiras vão reagir: o Congresso, a Câmara, o Senado, os movimentos sociais, as atitudes da presidente, como vai ser a recomposição na Câmara na questão da presidência. Essa exteriorização de comentários não tem a menor importância que se dá.

Panos quentes

No domingo à noite, após o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) divulgar os resultados das eleições presidenciais, tanto Aécio Neves (PSDB) como Dilma Rousseff (PT) adotaram um tom mais sereno e ambos falaram em “união”.

Fornazieri, da Fesp, destaca que, apesar do discurso conciliador de Aécio, “o PSDB tem responsabilidade no sentido de se manifestar contra essas posições [contrárias aos nordestinos]”.

— O PSDB, enquanto partido democrático, que ajuda a construir a democracia no País, tem o dever de desmentir essas minorias radicais. Caso contrário, pode ser acusado de conivência com essas manifestações de radicalismo.

Carlos Ranulfo, da UFMG, considera ambos os “discursos previsíveis, sobretudo o da Dilma”, já que ela teve “uma vitória apertada e não pode sair cantando de galo, dizendo ‘eu vou arrebentar’”.


— Ela tem que reconhecer que vai governar o País numa situação não só complicada do ponto de vista econômico, porque o eleitorado também se dividiu. Quer dizer, uma parte do País, 48%, não queria que ela continuasse. [...] O governo não vai ter folga nenhuma. [...] Ela não vai ter trégua. [...] Portanto, 2015 será um ano difícil tanto na economia como na política.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO!

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Se você se sentiu ofendido com algum comentário aqui publicado, entre em contato imediatamente mandando um email para dorjival@gmail.com