26 de julho de 2007

"Segurança e bem-estar sócio-educacional" será lançado hoje em Tangará

A Escola Estadual “Pedro Alberto Tayano” de Tangará da Serra, lança às 13h30, desta quinta-feira, o projeto “segurança e bem estar sócio-educacional: múltiplos olhares.” O mesmo pretende fortalecer as relações entre os segmentos da comunidade escolar, da comunidade local e as instituições, de modo a preservar e a proteger a integridade física, o bem-estar sócio-cultural, afetivo-emocional e as condições necessárias para o desenvolvimento de aprendizagens significativas da população infanto-juvenil.

Enquanto ação política, a coordenação do projeto e a direção da escola procuram firmar parcerias com os credos religiosos, o Conselho Municipal de Proteção da Infância e Adolescência, as Polícias Civil e Militar, Ministério Público, Poder Judiciário, Comunidade Escolar, a Associação de Moradores, empresários, Poder Executivo, Poder Legislativo e Imprensa.

De acordo com o professor Edílson Luiz da Cruz, diretor da escola, os parceiros são fundamentais para o sucesso do projeto, pois não adianta pensar em segurança pública apenas do ponto de vista de policiamento ou de cadeia. É preciso ir além de prender e mandar prender. É preciso pensar em políticas de geração de emprego e renda, formação pra o trabalho, de lazer e recreação.

Nesse sentido, lembra o diretor, é preciso que as autoridades, a sociedade e a família assumam a responsabilidade de propor soluções para as questões que dizem respeito à segurança e ao bem-estar da população infanto-juvenil.

A coordenação do Projeto “segurança e bem estar sócio-educacional: múltiplos olhares” compreende que mais que garantir o espaço escolar como direito público, é preciso arrancar do papel os direitos estabelecidos no artigo 222 da Constituição Brasileira de 1988, em favor da população infanto-juvenil.

É dever da família, da sociedade e do estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. (CF. Art. 227)

Para tanto, o projeto prevê as seguintes ações:
- Palestras e seminários;
- Sensibilização da comunidade escolar para as causas da violência local, seus reflexos no ambiente escolar e na formação de valores morais, sociais;
- Áreas de lazer e recreação, bem como a implantação de políticas que levem os adolescentes e os jovens a se envolver com o lazer, a recreação, a cultura;
- As policias e o Ministério Público são parceiros para desencadear as seguintes ações:
- Policiamento preventivo defronte a escola;
- Palestras alertando para os perigos da droga;
- Direitos individuais, sociais e coletivos;
- Conceituar cidadania e participação;
- Bem-estar social;
- Ações de combate ao narcotráfico (inteligência, repressão);
- Violência contra a infância e a juventude;
- Políticas de recuperação de dependentes químicos;
- Ações que integrem a polícia comunitária e a comunidade escolar;
- Reunião com professores para discutir segurança no ambiente escolar;
- A função social da segurança pública;
- Outras.
- Mobilizar a mídia para trabalhar as causas da violência e delinqüência infanto-juvenil;
- Mobilizar os diversos credos e manifestações religiosas para sensibilizar seus fieis para os perigos representados pelas drogas e outros tipos de abusos que atentem contra as integridades afetiva, social, cultural, física e religiosa da população;
- Sensibilizar o Poder Executivo Municipal para que a iluminação das vias públicas nas proximidades da escola seja instalada e/ou feita manutenção nas existentes.
- Mobilizar o setor de saúde pública para deflagrar ações que apresentem os males causados à saúde física e mental pelo uso de entorpecentes, alucinógenos e bebidas alcoólicas. Serão parceiros: a Secretaria municipal de Saúde, os clubes de serviços.
- Realizar uma audiência pública para discutir as políticas de proteção à população infanto-juvel.

Mas as dificuldades enfrentadas por segmentos infanto-juvenis ultrapassam a não-realização dos direitos formais e têm no aprofundamento das carências sociais na década de 80 e na ampliação do desemprego, sobretudo juvenil, nos anos 90, catalisadores do quadro de vulnerabilidades sociais. (BELUZZO. 2004)

Fonte: prof. Rodney Garcia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO!

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Se você se sentiu ofendido com algum comentário aqui publicado, entre em contato imediatamente mandando um email para dorjival@gmail.com