24 de novembro de 2007

O Peixe do mentiroso morre diferente

Ex-secretário de Educação de Tangará da Serra, meu colega professor José Paulo de Jesus, encaminha para o blog a estória do pescador que somente de vez em quando mentia. Vamos Ler:

E quando Jacó Timbozeiro, no segredo da madrugada, pegava o rumo do mato, desarmado de vara de pescar, o mundo já sabia: ia tirar timbó.

Da casca e raiz, macetadas a boas pauladas, a unha de Jacó beliscava um veneno leitoso e, com ele, tinguinjava a água do rio.

Minutos depois de jogar o veneno na água, os peixes boiavam, intoxicados e ele, assoviando, partia para a colheita.

Bem antes do almoço, voltava com o embornal recheado de lambari, bagre e traíra. Era peixe de fartar até os gatos da mais longínqua vizinhança.

Mas timbó sempre fora proibido por lei. E ali, em Cabreúva do Banhado, proibido e meio.

Cansado de avisar, o cabo Durvalino Matoso naquele dia também rumou para o mato no rastro de Jacó Timbozeiro.

No calor das dez, mal boiaram os primeiros lambaris, Matoso brotou por detrás de uma touceira de capim, em jeito de aparição.

E do alto de sua patente, foi logo dando a ordem certa, como era merecedor um caso daquele tamanho:

- Teje preso!

De costas, o timbozeiro nem precisou se virar para reconhecer a voz de trombone do militar.

- E por que, meu cabo?

– soprou, em voz de caniço.

- Não sabe que timbó na água dá cadeia, seu Jacó?

- Quê timbó, cabo Matoso?

- Como, quê timbó? O que estes peixes estão fazendo de barriga pra cima?

- Tá tudo morto, sim senhor.

- E morreram de quê?

– já correndo a mão nas algemas por pura perda de paciência.

- Afogamento.

Na cadeia, Jacó Timbozeiro lembrou-se que peixe não morre afogado.

Nem em Cabreúva do Banhado nem em nenhum lugar do mundo.

Mas já era tarde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO!

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Se você se sentiu ofendido com algum comentário aqui publicado, entre em contato imediatamente mandando um email para dorjival@gmail.com