7 de abril de 2020

Pesquisa revela que 33% dos empresários já admitem fechar portas em MT


Quase um terço dos empresários do estado diz que só tem condições de manter o negócio por apenas mais um mês, afirma uma pesquisa divulgada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) em Mato Grosso. A expectativa negativa é decorrente o isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus.

De acordo com a pesquisa “Percepção de Lideranças Empresariais de Mato Grosso sobre os Impactos do coronavírus nos Negócios e na Economia”, 31,80% dos empresários mato-grossenses disseram que devem conseguir manter as empresas abertas por mais um mês somente.

Além disso, a pesquisa mostra que 98% deles tiveram impactos negativos no comércio em Mato Grosso. Foram entrevistados 354 empresários, entre os dias 27 e 28 de março.


Uma série de medidas foram tomadas para evitar aglomerações de pessoas e a proliferação da doença, entre elas a suspensão dos comércios, eventos e atividades culturais, religiosas e comerciais, em geral, impostas por decretos municipais. O Sebrae ouviu empresários dos municípios de Alta Floresta, Barra do Garças, Cáceres, Confresa, Cuiabá, Juína, Lucas do Rio Verde, Rondonópolis, Sinop e Tangará da Serra.

Conforme a pesquisa, 21,31% dos empresários disseram que conseguem ficar com a empresa aberta por até dois meses, 14,1% até três meses, 6,56% até quatro meses, 12,13% mais de quatro meses e 14,1% não opinaram por quanto tempo conseguiram manter o negócio funcionando. Cerca de 61% dos empresários notaram a queda na receita e 86% a redução nas vendas, além disso, os donos de empresas também contaram que houve queda de consumidores e nas atividades dos negócios. A situação é decorreu aos efeitos da restrição à circulação de pessoas e do isolamento social, que mudou as cidades e o modo como as pessoas consomem.

No meio dessa crise de saúde atual surgiu um alerta para a manutenção dos empregos. A maioria dos empresários entrevistados (60,73%) relataram que o número de pessoas ocupadas nas empresas permaneceu o mesmo e 38,98% deles contam que houve uma redução das pessoas ocupadas nas empresas.

Eles preveem a redução de 9% nos empregos, o que equivaleria a 1.245 vagas que seriam desocupadas. A pesquisa comparou o total de pessoas ocupadas atualmente nas empresas entrevistadas, cerca de 14 mil empregos.

Dentre as medidas de gestão mais tomadas pelos empresários foram o atendimento ou vendas remotas online ou telefone (17,31%), serviço de delivery (13,46%), produção e divulgação de conteúdos (9,62%) e o revezamento da equipe por escala e turnos (7,69%). Já as medidas que os empresários estão com maiores dificuldades para implantar são a de redução de custos (29,92%), implementação de vendas pela internet (14,17%), de home office (12,60%), de delivery (8,66%).

“Os empresários precisam conhecer melhor as medidas que o próprio governo está colocando de auxílio. Muitas ações estão vindo para ajudar. Mais do que nunca o cliente é a resposta para os empresários. O modo de consumir mudou, a humanidade não será mais a mesma pós-pandemia da Covid-19, o hábito digital está mais intrínseco na sociedade”, esclarece Schelini.

Ainda segundo a pesquisa, os empresários ouvidos afirmaram que mesmo adotando estratégias de vendas online, o faturamento anual do negócio sofreria uma queda de 74%, caso as políticas de isolamento social sejam mantidas por um período de dois meses.

Para a maioria deles, cerca de 83% disseram que uma medida para beneficiar os negócios seria o retorno das atividades comerciais ou adoção do isolamento vertical, segundo a pesquisa “Percepção de Lideranças Empresariais de Mato Grosso sobre os Impactos do coronavírus nos Negócios e na Economia” feita pelo Sebrae-MT.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO!

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Se você se sentiu ofendido com algum comentário aqui publicado, entre em contato imediatamente mandando um email para dorjival@gmail.com