18 de janeiro de 2012

Após 18 dias, trabalhador em Tangará da Serra reaparece e acusa PM de sequestro

Guilherme acusa policiais de o terem levado de casa e entregue a pistoleiros. PM diz que não há registro nem pedido de prisão e caso será apurado.


Trabalhador rural disse que fugiu de pistoleiros e se
escondeu em mata (Foto: Reprodução/TVCA)

Após mais de 15 dias, um trabalhador rural de 46 anos que estava desaparecido no município de Tangará da Serra, aprocurou a Delegacia de Polícia Civil da cidade para prestar queixa contra policiais militares. Guilherme Silva, de acordo com a família dele, recebeu voz de prisão por policiais militares no dia 30 de dezembro e foi levado de casa. Durante todos esses dias, Guilherme ficou desaparecido.

O trabalhador acusou ter sido levado por policiais do sítio onde mora, no assentamento Antônio Conselheiro, na noite do dia 30 de dezembro de 2011. Ele teria sido sequestrado a mando de pistoleiros da região.

"[Os policiais] perguntaram quem era o Guilherme. Falei que era eu. Fui dar boa noite pra eles, quando cheguei perto para dar a mão, já começaram a me bater", disse, em entrevista à TV Centro América.

Guilherme responde por homicídio no estado de Rondônia. Ele chegou a ser preso mas estava em liberdade condicional e esperava uma intimação da justiça. Segundo Guilherme, os policiais o levaram até uma ponte no rio Sepotuba, na MT-358, e ele foi entregue a pistoleiros.

"Quando eles estavam contando dinheiro e conversando, o policial falou: 'É bem mais fácil de ter pego ele e feito o serviço do que ter trazido esse cara vivo. Não deixa ele escapar, não. Se ele escapar, vai dar problema pra nós", detalhou.

Depois disso, Guilherme disse que foi amarrado e colocado no porta-mala de um veículo. Algum tempo depois ele teria conseguido se soltar e quando o bagageiro foi aberto, ele fugiu. Com medo, o agricultor passou horas no rio e só saiu da água quilômetros depois. Ele relatou que passou a noite na mata e no dia seguinte caminhou até conseguir chegar na casa dele, no assentamento.

Após ficar 15 dias escondido, ele decidiu procurar proteção e foi até a Delegacia Regional de Tangará da Serra. Guilherme prestou depoimento à Polícia Civil, Ministério Público e Corregedoria da Polícia Militar.

No entanto, a Polícia Militar nunca confirmou ter feito a prisão. "Vamos apurar intensivamente. Havendo a conclusividade na autoria, sendo policiais militares, será pedida imediatamente a prisão preventiva, e ainda posteriormente excluir da corporação tais policiais", garantiu o major Delvison Cruz, da Polícia Militar. Globo.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO!

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Se você se sentiu ofendido com algum comentário aqui publicado, entre em contato imediatamente mandando um email para dorjival@gmail.com