20 de fevereiro de 2015

Políticos apoiam bloqueio, mas produtores temem prejuízo

KARINE MIRANDA

Os senadores Blairo Maggi (PR) e José Medeiros (PPS) e o deputado Dilmar Dal' Bosco (DEM) se manifestaram favoráveis ao protesto dos caminhoneiros, empresários do setor de transportes e produtores rurais que bloqueiam quatro pontos da BR-163, no Norte de Mato Grosso.

Em contrapartida, a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) teme a interferência do protesto no escoamento da safra de soja que está sendo colhida no Estado.

O protesto bloqueia quatro pontos da BR-163, no Norte de Mato Grosso, desde quarta-feira (18).


A categoria exige a redução de 17% para 12% da alíquota do ICMS do óleo diesel, bem como a elaboração de uma tabela fixa para a cobrança do frete baseada na Lista de Preços Mínimos de Frete da Secretaria de Fazenda (Sefaz).

Para o senador José Medeiros, o Governo Federal precisa dar atenção à reivindicação de caminhoneiros, já que o movimento ganha força a cada dia.

“Se o Governo virar as costas para esse movimento, o bloqueio pode ocorrer em outras rodovias de Mato Grosso e, até mesmo, se espalhar por todo o país”, alertou o senador, em Plenário.

Segundo ele, o bloqueio de rodovias compromete o escoamento da produção agrícola, principal atividade econômica do Estado, e isso revela a necessidade de investir mais em outros formas de transporte, como o hidroviário e o ferroviário, por exemplo.

“No Brasil, se o setor rodoviário espirrar, a nossa produção toda fica gripada. Em outros países, se optou por ter uma segurança maior, fazendo o transporte todo via trem, via ferrovia. E nós, em algum momento da história, perdemos o bonde e passamos a depender de um transporte caro em termos de patrimônio e caro também em perdas de vidas”, disse.

Já para o senador Blairo Maggi, as negociações com o Governo foram iniciadas, a fim de ajudar nas questões de financiamento de caminhões e sobre a Lei dos Caminhoneiros, por meio do Projeto de Lei (PL) 4.246/2012.

"Fui procurado pelos organizadores do protesto e já estou conversando com o Governo sobre a prorrogação dos financiamentos de caminhões comprados no ano passado. E, também, sobre a Lei dos Caminhoneiros, já aprovada pelo Congresso Nacional, para que seja sancionada pela presidente, sem veto", disse o republicano.

Novo estudo

O deputado Dilmar Dal'Bosco propôs a criação de uma equipe de estudo mista para avaliar as perdas na arrecadação com a redução da alíquota de ICMS.

Além disso, a equipe também vai avaliar táticas para garantir o consumo de diesel no Estado, de forma que não haja grandes perdas para economia.

"A redução é possível mediante a garantia de consumo. É preciso discutir a redução da alíquota de ICMS sem que haja perdas na arrecadação, pois sabemos que, mesmo proibido, alguns caminhoneiros fazem uso de tanques suplementares, abastecendo em outros estados", disse Dilmar.

A Secretaria de Fazenda (Sefaz), por sua vez, já anunciou a realização de um estudo técnico sobre todo o setor de combustível em Mato Grosso, e não apenas do óleo diesel.

O objetivo é avaliar a viabilidade e impacto da redução da alíquota nas contas estaduais.

Produtores

Para o presidente da Aprosoja, Ricardo Tomczyk, a manifestação dos caminhoneiros é necessária, mas, segundo ele,, é preciso considerar a importância da não interferência no escoamento da safra de soja.

"É preciso ter o mínimo de ordem, pois somos elos de uma mesma cadeia, que precisa ser sustentável. Precisamos que as propriedades sejam abastecidas com óleo diesel e ter garantido o transporte da soja para os armazéns", disse Tomczyk.

O Estado, segundo ele, está no período de pico de safra e a radicalização neste momento pode atingir outros elos da cadeia.

“O direito de manifestação é justo, pois sabemos que o setor vive um momento crítico. Mas precisamos colher e transportar a safra e vamos lutar para este direito também ser garantido”, afirmou.

O bloqueio atinge 80% do escoamento da produção agrícola do Estado e acontece no Km 745, na região de Sorriso (420 km ao Norte de Cuiabá), no Km 686 em Lucas do Rio Verde (354 km) e no Km 593 em Nova Mutum (264 km).

Já os caminhoneiros de Sinop (500 km ao Norte) aderiram ao movimento no final da manhã de quinta-feira (19), e trecho KM 854 de Sinop a Santarém (PA) está bloqueado assim como o trecho no KM 854 da rodovia.

Os municípios de Tangará da Serra e Campo Novo dos Parecis, no Noroeste do Estado, estão com o transporte de cargas parado há mais de 10 dias.

Por enquanto, os empresários do transporte realizam o bloqueio das 8h às 11h, sendo retomado das 13h e segue até às 18h. Situação semelhante ocorreu na quarta-feira (18) e quinta-feira (19).


Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO!

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Se você se sentiu ofendido com algum comentário aqui publicado, entre em contato imediatamente mandando um email para dorjival@gmail.com