20 de fevereiro de 2015

Aprosoja pede o fim de protestos; caminhoneiros fecham a BR-163

Bloqueio começou na quarta em trechos da BR-163; Manifestantes estão impedindo tráfego de veículos de carga pela rodovia

Wellyngton Souza

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), se mostra preocupada com a paralisação de caminhoneiros na região Médio-Norte do Estado, que já dura três dias e tem "travado" o escoamento da produção. Caminhoneiros cruzaram os braços em dois trechos da BR-163, em Lucas do Rio Verde (360 Km de Cuiabá).

Mato Grosso é o maior produtor de grãos do país e a região bloqueada é considerada a maior produtora da aleoginosa do Estado, o que aumenta ainda mais a preocupação. Por meio de nota, Aprosoja entende a necessidade das manifestações dos caminhoneiros, mas ressalta a importância de tais atos não interferirem no escoamento da safra de soja que está sendo colhida no Estado.

Para o presidente da instituição Ricardo Tomczk, muitos itens da pauta são justos, como o pedido de redução do preço do óleo diesel e do ICMS, além da prorrogação do Finame. "É preciso ter o mínimo  de ordem, pois somos elos de uma mesma cadeia, que precisa ser sustentável. Precisamos que as propriedades sejam abastecidas com óleo diesel e ter garantido o transporte da soja para os armazéns", comentou Tomczk.

Ainda conforme presidente, a associação reforça que, apesar de ser justo, o direito de manifestação é preciso que os transportadores entendam que Mato Grosso está no período de pico de safra e a radicalização neste momento pode atingir outros elos da cadeia. Isto pode fazer com que o movimento perca apoio. “O direito de manifestação é justo, pois sabemos que o setor vive um momento crítico. Mas precisamos colher e transportar a safra e vamos lutar para este direito também ser garantido”. De acordo com estimativa do Imea, a comercialização de soja da safra 2014/15 alcançou 45,6% em dezembro e chegou a 50% em janeiro. Saldo positivo para o Estado.

Novos bloqueios 
Desde o início da manhã de hoje, o tráfego de veículos de carga se encontra interditado no km 593 da BR-163, região de Nova Mutum, no km 686, em Lucas do Rio Verde, e no km 747, em Sorriso, e no km 850, região de Sinop, em decorrência de manifestações. Porém, o tráfego não será liberado durante o horário do almoço, como foi realizado nos dias anteriores. A concessionária Rota do Oeste, responsável pela administração da rodovia, pede paciência aos usuários e atenção redobrada nos pontos interditados. 

Entenda o caso
Os caminhoneiros bloqueiam há dois dias quatro trechos da BR-163, em Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Sorriso e Sinop. Os manifestantes pedem, entre outras reivindicações, a redução da alíquota do ICMS sobre o óleo diesel, de 17% para 12%, para tentar reduzir o custo do frete, que, segundo a Associação dos Transportadores de Cargas de Mato Grosso, teve uma queda no preço.


No primeiro dia do protesto, os manifestantes bloquearam dois trechos dessa rodovia e, no dia seguinte, fecharam outro trecho e desde quinta (19), passaram a impedir a passagem de veículos pesados no trecho localizado em Sinop, a 503 km da Capital. Uma reunião entre representantes do setor e o governador Pedro Taques (PDT) está marcada para a tarde desta sexta (20). A secretaria de Fazenda (Sefaz) informou, no primeiro dia de protesto, que está realizando um estudo técnico sobre o combustível em Mato Grosso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO!

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Se você se sentiu ofendido com algum comentário aqui publicado, entre em contato imediatamente mandando um email para dorjival@gmail.com