15 de outubro de 2018

Fim da linha para os dinossauros da política mato-grossense

Serys, Daltro e Eline: fim da linha
A ex-senadora Serys Shessarenko (PRB) tentou uma cadeira na Câmara Federal, mas não foi eleita. Ex-deputada estadual e a primeira mulher eleita senadora de Mato Grosso, à época pelo Partido dos Trabalhadores, Serys recebeu no dia 7 de outubro 33.546 votos. 

 Também na disputa por uma vaga na Câmara Federal, o ex-deputado federal Eliene Lima recebeu somente 9.330 e não se elegeu. 

 O ex-vice-governador e ex-deputado estadual Chico Daltro foi outro que tentou retomar a carreira política. Sua última vitória nas urnas foi em 2010, quando compunha chapa com o então governador Silval Barbosa, que disputou a reeleição. Este ano Daltro tentou voltar a AL, mas teve somente 5.548 votos. 

 O ex-vereador e ex-secretário de Estado e da Prefeitura de Cuiabá Carlos Brito também saiu derrotado na briga por uma cadeira na Assembleia Legislativa. Ele, que já foi prefeito interino de Cuiabá na década de 1990 obteve 5.464. 

 O radialista e ex-deputado federal Lino Rossi também disputou, sem sucesso, uma vaga na Assembleia Legislativa. Ele obteve somente 1.242 votos.

EM TEMPO: O perfil do eleitorado mato-grossense, brasileiro, está mudando e mudando para melhor. As últimas eleições deixaram um recado claro: é tempo de renovação. Adeus, corrupção! Adeus dinossauros! 

Com Olhar Direto. 

PSDB perde seus dias de glória em Mato Grosso

Alckmin recebeu apenas 67.498, ou 4,13% do total em MT

Uma comparação entre os números da apuração presidencial em 2014 e 2018 mostra o tamanho do desastre eleitoral que se abateu sobre o PSDB em Mato Grosso. 

 Em 2014, o então candidato tucano Aécio Neves teve 693.251 votos no Estado, o que correspondia a 44,47%. 

 Já em 2018, Geraldo Alckmin recebeu apenas 67.498, ou 4,13% do total. Estado tradicionalmente tucano em eleições presidenciais, Mato Grosso repetiu o movimento de muitas outras unidades da federação. 

Ou seja, os votos do PSDB migraram em peso para Jair Bolsonaro, escolhido por 981.119 (60,04%).

Haddad diz ao país que não tem carro

Haddad anda apenas de bicicleta?

O cinismo e a falta de vergonha na cara do comunista Fernando Haddad (PT) só é superada pela do seu chefe maior, o criminoso que está preso em Curitiba.

O poste chegou a dizer em rede nacional que não possui carro. Um carrinho, por velho que seja.

É claro que o País inteiro deu uma tremenda risada para o que o pobrezinho falou.

A propósito: ai em São Paulo, o Haddad anda sempre de ônibus, metrô ou carona?

Com a palavra, o cidadão.