6 de março de 2015

Em negociação da dívida, Silval elege Boston como foro para divergências; Taques vê absurdo e tenta reverter

A renegociação da dívida pública de Mato Grosso, assinada pelo ex-governador Silval Barbosa (PMDB) em setembro de 2012, durante viagem para Nova York, nos Estados Unidos, está causando “dor de cabeça” ao Governo. A equipe econômica do governador Pedro Taques (PDT) acaba de descobrir que o contrato assinado com o Bank of America elege a cidade de Boston como foro para resolução de qualquer pendência.

Para o chefe da Casa Civil, Paulo Taques, a cláusula configura um verdadeiro absurdo. “Como pode um ente público que é o governo estadual firmar contrato com ente privado que é o Bank of America e eleger o foro nos Estados Unidos se o banco tem sede no Brasil? É uma cláusula leonina e draconiana”, questiona.

Na prática, se o Executivo concluir que a renegociação conduzida por Silval trouxe prejuízos para Mato Grosso, o governador precisa ir a Boston para rediscutir o contrato. Entretanto, o Bank of América tem sede na avenida Brigadeiro Faria Lima, no bairro Pinheiros, em São Paulo. “A Procuradoria-Geral do Estado está fazendo análise jurídica da cláusula. É preciso deixar claro que o governador Taques não tem intenção de dar calotes, mas não vamos deixar de rediscutir e renegociar tudo aquilo que vem em prejuízo ao Governo e em consequência, aos cidadãos mato-grossenses”, garante o chefe da Casa Civil.

A operação de crédito para renegociação da dívida foi autorizada pelo Senado, em 29 de agosto de 2012. A oficialização aconteceu poucos dias antes da viagem de Silval aos Estados Unidos. Com a renegociação, Mato Grosso contraiu empréstimo com o Bank of America/Banco do Brasil no valor de U$ 479 milhões, para pagar parte da dívida do Estado com a União, que estava em R$ 4,6 bilhões. Os juros, que eram de 13,5 % ao ano, passaram para 5% em dólares americanos pelo mesmo período.

Mato Grosso começa a pagar o empréstimo neste ano. Ainda assim, tem mais oito anos para quitar a dívida com o Bank of America. À época, acompanharam Silval e a ex-primeira-dama Roseli Barbosa, Vivaldo Lopes (ex-adjunto do Tesouro Estadual), André Luiz (ex-assessor do governador), Luana Braga (assessora de imprensa), major André Dorileo (ex-ajudante de Ordens do governador) e Ludmilla Eickhoff (ex-ajudante de Ordens da primeira-dama), além de Osvaldo Marins (ex- agente de Proteção de Dignitários).


O Rdnews tentou contato com Silval para buscar explicação sobre a cláusula contratual, mas ele não atendeu nem retornou aos telefonemas até a publicação desta matéria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO!

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Se você se sentiu ofendido com algum comentário aqui publicado, entre em contato imediatamente mandando um email para dorjival@gmail.com